Pular para o conteúdo principal

SARNEY E AS BALEIAS

     
 Bem sabemos que José Sarney é muito criticado, e estranhamente, muito mais fora do seu Estado: o Maranhão!
      Mais é bem verdade que a crítica por si só não leva a coisa alguma. Deve produzir resultados positivos.
    Algumas vezes temos que elevar o tom da crítica quando encontramos, principalmente eu que também sou maranhense e tendo estudado com o mesmo professor do Sarney - o inesquecível mestre Professor Joca Rego, um Maranhão quase na sua totalidade em total desprezo. Isso nos obriga a divergir das idéias desse homem público, porém, como as essas divergências são de natureza ideológicas, não impede, por outro lado, que reconheçamos em José Sarney grande capacidade de interagir, mesmo em extrema adversidade, com outras vertentes ideologicamente opostas à sua. Essa capacidade ninguém nesse Brasil velho de meu Deus a tem em tamanha proporção. E como devemos dar a César o que é de César, cabe, nesta data, enaltecer a figura do estadista José Sarney por ter há 24 anos promulgado a Lei nº 7.646, de 18 de dezembro de 1987, que proíbe definitivamente a pesca ou qualquer forma de molestamente aos cetáceos de quaisquer espécies nas águas jurisdicionais brasileiras. Foi um marco histórico e a você, José Sarney, dos que tiveram o tino de relembrar, a despeito do esquecimento do pessoal ecologicamente correto em seus gabinetes, desejamos a você, nós e as baleias, um efusivo MUITO OBRIGADO.
      A caça da baleia no litoral brasileiro teve início no Recôncavo Baiano por volta de 1602, daí se espalhando por todo o litoral brasileiro. Só para que se tenha uma idéias, 19.800 baleias foram mortas pela Companhia de Pesca Norte do Brasil, sediada na praia do Costinha na Paraíba.
         As divergências existem para o bem do progresso.
          

  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Academia Maranhense de Letras - sucursal Barra do Corda

Enquanto Barueri alcança o ápice dos municípios brasileiros com melhores condições de vida, com muita tristeza relatamos um fato que causa vergonha, porque não dizer, indignação, pois se trata da condição em que se encontra atualmente uma escola municipal no Povoado Olho D´Água dos Crispianos, em Barra do Corda, Estado do Maranhão. Falamos apenas da condição física do prédio, imagine as condições pedagógicas!   A localidade fica distante cerca de 15 km da sede do município. O colégio funciona dentro de uma pastagem e as aulas são ministradas ao lado de animais que vão fazer sua refeição no local. Suspeita-se que o município de Barra do Corda receba recursos do Ministério da Educação. O prefeito Manoel Mariano de Sousa, o Nenzim (PV), é acusado pela Polícia Federal de desviar R$ 50 milhões dos cofres da cidade.   Com certeza a prefeitura não gastaria muita coisa para dar dignidade ao professor e aos alunos que talvez freqüente esse lugar. Se o fazem, são verdadeiros heróis.   A ind…

Cracolândia, pode?

Cracolandia! Você já ouviu falar nessa palavra, que em princípio pode até soar bem no ouvido de alguns que colocam o nome de seus filhos como Maurilândia, Orlândia? Já ouviu falar em algum nome assim? Eu ouvi. Afinal, sou nordestino!
   Pois é, esse maldito nome vem da junção de “crack” , que não é o caso do atleta acima do normal, não, é a droga mesmo, aquela produzida com a mistura da pior parte da cocaína com bicarbonato de sódio e do sufixo “landia”, que quer dizer cidade, portanto, o significado será “cidade do crack”. Tem coisa pior do que isso? Pois bem esse lugar existe e fica aqui no centro da bela cidade que encanta e desencanta a todos nós: SAMPA. Sabe onde fica Sampa? Caetano Veloso sabe! Pergunte a ele. No cruzamento da São João com a Ipiranga é só seguir o rumo que quiser que você verá a cena mais horripilante que se pode imaginar. Nem Virgílio levaria Dante a lugar de tamanho horror. Acredito que as drogas produzidas na Velha Bota de 1300 d. c. não produziriam taman…

RUA JOSÉ PAULINO

A rua José Paulino na cidade de São Paulo é um centro comercial e também um consultório terapêutico a céu aberto.    A mulherada quando se encontra deprimida, angustiada, com problema no trabalho, no lar, com o marido, filhos, gordura, na aparência, encontra na rua Zé Paulino uma terapia com efeitos imediatos.    Entre as estações Júlio Prestes e Luz, a rua José Paulino, no bairro do Bom Retiro, mais conhecida como “Zé Paulino” é um paraíso para mulheres.    Um sobe e desce de mulheres de todos os tipos: bonitas, feias, altas, gordas, anoréxicas, asiáticas, negras, brancas, índias (bolivianas), enfim, todas elas se encontram por lá.     Mas não seria um desencontro?     No interior das lojas, uma toma da outra a roupa que afirma ter visto primeiro; outra fala que a peça que a fulana segura na mão já havia sido separada pra ela; outra ainda mais aponta defeito em peças da amiga e quando esta larga a peça, sonho de consumo das duas, aquela segura firme a vestimenta e corre ao caixa …