Pular para o conteúdo principal

AMAZILO E O DEFUNTO


Ontem, 2 de novembro, comemorou-se o “Dia de Finados”.
Percebo claramente a contribuição dada pelos antigos cristãos para a formação das novas palavras de um determinado idioma. No nosso caso, o velho português.
Neologismo lexicografada já é indício de que a palavra pode e deve ser inserida nos dicionários. Isso prova que nova palavra foi aceita.
Fiz um arrodeio para dizer que a palavra FINADOS vem do FIM. Fim mesmo, visto que os cristãos portugueses acreditavam em Deus até o momento da morte. Depois disso.....bom, o resto é dúvida. O mais provável é que seja realmente o fim.
Em se tratando do dia de finados me lembrei de Balsas, e nessas lembranças me veio à cabeça os mortos que deixei por lá, enterrados no Cemitério da avenida Catulo, conhecida antigamente pelo apelido de Praça dos Três “C”, visto concentrar naquela área, em convivência pacífica, o Cabaré, a Cadeia e o Cemitério.
Diziam que o camarada aprontava no Cabaré, seria preso na Cadeia pelo Soldado Ribamar Qui-Qui-Qui, morria de fome por lá e seria enterrado no Cemitério.
Mas, deixemos pra lá esse assunto, por enquanto.
Quero me referir agora a um certo fato que me lembrei ao refletir sobre o dia de finados: foi a morte de um cidadão do Alto Parnaíba que veio doente a Balsas e faleceu no Hospital São José.
A esposa, sofrendo muito naquele momento, teria que levar o corpo do marido para ser sepultado em Alto Parnaíba. Fretou o jeep boiadeiro (jeep de quatro portas) do Luis Sande para levar o defunto. Como já era noite, Luis Sande lembrou-se do velho carteiro que fazia a ligação dos Correios de Balsas a Alto Parnaíba, passando por Brejo da Porta (hoje Tasso Fragoso), pois com certeza ele faria esse trajeto por aqueles dias e poderia contar com a companhia desse Paulo Bregaro em missão tão piedosa. Já passava das oito da noite quando Luis Sande se dirigiu à casa do Amazilo, o carteiro. Convite feito,  Amazilo aceitou sem pestanejar. Seria mais fácil sair logo à noite de carro do que enfrentar a distancia de burro ou de uma possível carona.
Uma hábito muito presente no Amazilo é o da “proncha”. Isso mesmo, gostava de “meter uma proncha” pra dentro, ou seja, gostava da bebida alcoólica.  Sem ela como companheira, Amazilo não enfrentaria tamanho desafio. Passou nos Correios, apanhou a correspondência e rumaram para o Alto Parnaíba: a viúva chorosa, Luis Sande, Amazilo e o defunto.
A estrada vicinal era muito ruim. Noite adentro, motor do jeep roncando, Amazilo bebendo e falando, viúva chorando e Luis Sande dirigindo e ouvindo tudo.
Lá pelas tantas, já incomodados pelos murmúrios da viúva, Amazilo convenceu a pobre mulher de tomar um gole da “maranhense” a fim de se acalmar.
A viuvinha sentiu-se bem melhor com a sensação que a “proncha” lhe proporcionara. Começou inclusive a interferir na conversa entre Luis Sande e Amazilo.
Chegaram no Brejo da Porta já noite adentro. Cidadezinha às escuras, pararam no posto de gasolina da cidade, o único, por sinal. Luis Sande faria uma inspeção no veículo antes de continuar. Nessa hora chega um borracheiro e pergunta a Luis para onde estão indo. Ele logo responde que estão indo a Alto Parnaíba levar um defunto.
O borracheiro, homem curioso, fez a volta no veículo para certificar-se da novidade e ao reencontrar Luis Sande, pergunta-lhe:
- Cadê o defunto?
Luis Sande responde:
- Ta aí na traseira.
O borracheiro continua:
- Aqui mesmo não, já acendi a lanterna e foquei até debaixo do jeep e não vi defunto algum!
Foi um desespero só. Lembrara-se da ladeira muito íngreme antes de chegar ao Brejo da Porta. Retornaram às pressas e encontraram o caixão aberto quase no topo da ladeira e o defunto no pé da ladeira.
Recolocaram o defunto no esquife e o colocaram novamente no veículo, porém tendo o cuidado de colocar a viúva “escanchada” no caixão.
A historia é feita de fatos e defuntos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Academia Maranhense de Letras - sucursal Barra do Corda

Enquanto Barueri alcança o ápice dos municípios brasileiros com melhores condições de vida, com muita tristeza relatamos um fato que causa vergonha, porque não dizer, indignação, pois se trata da condição em que se encontra atualmente uma escola municipal no Povoado Olho D´Água dos Crispianos, em Barra do Corda, Estado do Maranhão. Falamos apenas da condição física do prédio, imagine as condições pedagógicas!   A localidade fica distante cerca de 15 km da sede do município. O colégio funciona dentro de uma pastagem e as aulas são ministradas ao lado de animais que vão fazer sua refeição no local. Suspeita-se que o município de Barra do Corda receba recursos do Ministério da Educação. O prefeito Manoel Mariano de Sousa, o Nenzim (PV), é acusado pela Polícia Federal de desviar R$ 50 milhões dos cofres da cidade.   Com certeza a prefeitura não gastaria muita coisa para dar dignidade ao professor e aos alunos que talvez freqüente esse lugar. Se o fazem, são verdadeiros heróis.   A ind…

Cracolândia, pode?

Cracolandia! Você já ouviu falar nessa palavra, que em princípio pode até soar bem no ouvido de alguns que colocam o nome de seus filhos como Maurilândia, Orlândia? Já ouviu falar em algum nome assim? Eu ouvi. Afinal, sou nordestino!
   Pois é, esse maldito nome vem da junção de “crack” , que não é o caso do atleta acima do normal, não, é a droga mesmo, aquela produzida com a mistura da pior parte da cocaína com bicarbonato de sódio e do sufixo “landia”, que quer dizer cidade, portanto, o significado será “cidade do crack”. Tem coisa pior do que isso? Pois bem esse lugar existe e fica aqui no centro da bela cidade que encanta e desencanta a todos nós: SAMPA. Sabe onde fica Sampa? Caetano Veloso sabe! Pergunte a ele. No cruzamento da São João com a Ipiranga é só seguir o rumo que quiser que você verá a cena mais horripilante que se pode imaginar. Nem Virgílio levaria Dante a lugar de tamanho horror. Acredito que as drogas produzidas na Velha Bota de 1300 d. c. não produziriam taman…

RUA JOSÉ PAULINO

A rua José Paulino na cidade de São Paulo é um centro comercial e também um consultório terapêutico a céu aberto.    A mulherada quando se encontra deprimida, angustiada, com problema no trabalho, no lar, com o marido, filhos, gordura, na aparência, encontra na rua Zé Paulino uma terapia com efeitos imediatos.    Entre as estações Júlio Prestes e Luz, a rua José Paulino, no bairro do Bom Retiro, mais conhecida como “Zé Paulino” é um paraíso para mulheres.    Um sobe e desce de mulheres de todos os tipos: bonitas, feias, altas, gordas, anoréxicas, asiáticas, negras, brancas, índias (bolivianas), enfim, todas elas se encontram por lá.     Mas não seria um desencontro?     No interior das lojas, uma toma da outra a roupa que afirma ter visto primeiro; outra fala que a peça que a fulana segura na mão já havia sido separada pra ela; outra ainda mais aponta defeito em peças da amiga e quando esta larga a peça, sonho de consumo das duas, aquela segura firme a vestimenta e corre ao caixa …