Pular para o conteúdo principal

FRUSTRAÇÕES DE NATAL EM BALSAS-MA


      Natal é uma festa de que não gosto. Definitivamente não gosto do natal.
      Como sempre queremos encontramos desculpas para as nossas frustrações e eu também não fui diferente para o caso da minha falta de atenção para com o natal. 
     Descobri por mim mesmo que em alguns casos nem precisamos recorrer aos profissionais da mente para encontrar a resposta que procuramos.
      Relembrando Balsas do final da década de 60 e início de 70, pude constatar, de fato, o que ocasionou minha frustração. Na época, a rua Catumbi era puro areal. Areia desde o colégio Luis Rego até a casa do Joca da Otília. Cinco coisas havia em excesso naquela rua: passa-raiva, manga, melão de São Caetano nas cercas de talo de buriti, caju-banana no quintal da Dona Dos Anjos do senhor Joaquim Rocha, e areia. Com a areia da rua Catumbi daria pra construir muitos prédios. Hoje as coisas estão diferentes e a rua já tem um outro nome, Edísio Silva. Passa-raiva hoje é mamão; manga só em feira; melão de são caetano o povo não sabe mais o que é; caju-banana está igual as sete estrelas no mês de maio: quem vê, morre.
      Bom, e o meu natal? Não estou esquecido dele, não!
    Como de costume, pelo menos na minha casa, todos dormíamos em rede. Havia camas, porém, ninguém agüentava todo aquele calor e a rede era o ventilador do pobre. Usamos a rede o ano inteiro. Em Balsas, as estações do ano são muito bem definidas: verão e inverno. O resto é só calor e mormaço.  
   Acredito até que os ricos da cidade também dormiam em tipóias. Naquela época, a energia era a motor de combustão e só funcionava da "boquinha da noite" até as dez horas, por isso não havia ventilador, muito menos ar-condicionado.
      A minha avó materna, Esmeralda Bucar, gostava muito de falar sobre as coisas que acreditava. Uma delas era o tal Papai Noel. Falava com tanto entusiasmo como se ele realmente fosse um personagem bíblico. Mulher de uma fé católica inabalável. Dizia com todos os detalhes de que era conhecedora que o Papai Noel vinha todo ano da terra de Jesus, montado em burros e passava em Balsas a fim de cumprir sua missão. Aqui cabe um pequeno esclarecimento: talvez ninguém no Maranhão inteiro conhecesse as tais renas e o trenó de Papai Noel, muito menos nós, os balsenses. E como o balsense sempre tem um jeitinho, arranjou-se para ele os burros e uma carrocinha para que o Natal dos balsenses não ficasse de fora da rota do Papai Noel.
      Minha avó afirmava que nós, meninos e meninas, deveríamos ser bons durante o ano para merecer o presente de natal, trazido pelo avermelhado Papai Noel. Como se não bastasse esse sacrifício, teríamos que dormir mais cedo, limpinhos da silva, sem antes deixar embaixo da tipóia um maço de capim para os burros do Papai Noel, como forma de agradecimento da nossa parte.
      Era véspera do natal. Havíamos cumprido praticamente todas as exigências que foram impostas durante o ano inteiro, tomamos banho, eu e meu irmão Kaaled, colocamos o maço de capim debaixo da rede e pronto: fomos dormir sonhando com o dia seguinte. Quais seriam os presentes que o Papai Noel nos traria? Seria um carrinho? Uma bola? Quem sabe! Confesso que dormir mesmo era difícil. Passava a noite tentando dar o flagra em Papai Noel. Talvez o meu maior desejo nem fosse mesmo receber presente. Acredito mesmo ser o de ver de perto Papai Noel. Seria o máximo na vida poder ver de perto uma figura tão propalada no fim do ano! Queria ter a sensação de poder enxergar o bom velhinho e talvez lhe fazer algumas perguntas.  Confesso que a figura de Papai Noel me intrigava bastante. Queria saber quem realmente era ele? Por quê fazia todo aquele esforço? O que movia esse sentimento de bondade por parte dele? Tudo isso me intrigava. E me intrigava mais ainda quando minha avó o associava às coisas da igreja, dando ao Bom Velhinho um ar de santidade.
      Enfim, chega 25 de dezembro. Acordei sendo chamado por meu irmão que já estava de pé ao lado da rede. Vi-o espantado, triste e ao mesmo instante soltando algumas risadas pouco representativas da situação. Ele logo foi me falando:
      - O Papai Noel não veio.
      - Como não veio?
      - Olhe debaixo da rede.
      Vi o capim intacto, do mesmo jeito que havíamos deixado. Nenhum presente sequer. Colocamos a mão no queixo e começamos a nós questionar:
      - Será que nós fizemos alguma coisa errada?
      - Talvez sim. A gente é que não está lembrando.
      Saímos do quarto de fininho e fomos para o meio da rua. Lá estavam os meninos dos vizinhos curtindo os brinquedinhos de natal que o Papai Noel havia trazido. Meu irmão fala logo:
      - Ele passou na casa dos vizinhos e não veio aqui em casa! Passou tão perto e não veio aqui.
      Eu lhe fiz uma pergunta que naquele momento parecia fazer sentido.
      - Será que não entrou porque não deixamos a janela aberta? 
     - É; é bem possível que sim. Também, você colocou a tramela na janela. Como é que Ele iria entrar?
      Pronto. Começamos ali mesmo uma discussão.
    Meu pai, Antonio Carlos, ouvindo a conversa meio de longe completa na linguagem do balsense:
      - Mar moço, Ele passou bem-í e num vêi aqui?
     Resolvemos esperar o ano seguinte. Desta vez não teria como não dar certo. Tentamos ser os melhores garotos, fomos mais vezes à igreja, tomamos banho bem mais demorado, colocamos os melhores capins que pudemos encontrar e deixamos a janela aberta, sem antes rezar o Rosário completo com minha avó Esmeralda. Tudo pronto, só faltava o dia seguinte.  Já muito zonzo de sono pela reza sem-fim me pus a dormir. A certeza era tanta que não haveria mais nenhuma dúvida de que naquele ano o Papai Noel passaria na rua Catumbi, nº 369.
      Acordamos muito cedo e desta vez não esperei que meu irmão o fizesse primeiro. Ao abrir os olhos já virei o rosto para verificar embaixo da rede o meu presente de natal. Tinha tanta certeza de que ele estava lá que estiquei meu braço para alcançá-lo. Peguei em algo bastante conhecido por mim. Decifrei logo de cara o presente que havia sido deixado ali. Era o bendito capim que eu mesmo deixei. Papai Noel mais uma vez não havia cumprido o trato: nós seríamos melhores cristãos e Ele nos traria presentes!
      A decepção da minha parte foi tão grande que não quis passá-la ao meu irmão. Sabia que ele não agüentaria mais uma vez essa desfeita de Papai Noel. Desci da rede, olhei por todos os cantos para ver se eu mesmo não estaria enganado. Talvez na esperança de que o presente estivesse em outro canto do quarto. Nisso meu irmão acorda, levanta-se de um salto só e pergunta.
      - Onde estão os presentes?
      Nem sequer tive coragem de responder. Havia tanto desgosto e emoção naquele momento que hoje, tantos anos depois, ao lembrar da cena tive que parar de escrever por alguns instantes em razão das lágrimas que brotaram independentes do querer. Já refeito da emoção, lembro-me de que a primeira atitude que meu irmão teve foi de correr para o meio da rua. Lá estaria a prova maior de que Papai Noel não nos ouviu. Os meninos todos alegres. Uns chutando bolas, outros puxando os carrinhos. Confesso que desta vez me deu pena do meu irmão. Não agüentando a decepção logo ele solta toda a sua raiva e aos gritos falou:
      - Esse Papai Noel filho-da-puta passou na casa de todo mundo e não passou de novo aqui.
Foi um espanto só. Minha avó ficou paralisada com tamanha falta de respeito àquele que para ela seria talvez um santo. E dirigindo-se a meu irmão de forma a repreendê-lo disse:
      - Você tenha mais respeito com Papai Noel. É por isso que você não ganha nada dele.
      Meu pai, com a cara mais sem-vergonha do mundo, põe mais lenha na fogueira:
      - “Ô bicho ruim esse tal Papai Noel. Vêi bem-qui na casa da Maria Reis e num passô aqui de novo. Mar moço, será mermo o que terá acontecido?”
      Não sei o que aconteceu, porém, daquele dia em diante em passei a odiar o tal Papai Noel. Talvez seja por isso que não sinto prazer algum no Natal.
     Essa mesma experiência deve ter sido experimentada por muitos balsenses que conheci.
     Mesmo assim, superando aos poucos esse trauma, hoje sou capaz de desejar a todos vocês balsenses ou não, UM FELIZ NATAL.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Academia Maranhense de Letras - sucursal Barra do Corda

Enquanto Barueri alcança o ápice dos municípios brasileiros com melhores condições de vida, com muita tristeza relatamos um fato que causa vergonha, porque não dizer, indignação, pois se trata da condição em que se encontra atualmente uma escola municipal no Povoado Olho D´Água dos Crispianos, em Barra do Corda, Estado do Maranhão. Falamos apenas da condição física do prédio, imagine as condições pedagógicas!   A localidade fica distante cerca de 15 km da sede do município. O colégio funciona dentro de uma pastagem e as aulas são ministradas ao lado de animais que vão fazer sua refeição no local. Suspeita-se que o município de Barra do Corda receba recursos do Ministério da Educação. O prefeito Manoel Mariano de Sousa, o Nenzim (PV), é acusado pela Polícia Federal de desviar R$ 50 milhões dos cofres da cidade.   Com certeza a prefeitura não gastaria muita coisa para dar dignidade ao professor e aos alunos que talvez freqüente esse lugar. Se o fazem, são verdadeiros heróis.   A ind…

Cracolândia, pode?

Cracolandia! Você já ouviu falar nessa palavra, que em princípio pode até soar bem no ouvido de alguns que colocam o nome de seus filhos como Maurilândia, Orlândia? Já ouviu falar em algum nome assim? Eu ouvi. Afinal, sou nordestino!
   Pois é, esse maldito nome vem da junção de “crack” , que não é o caso do atleta acima do normal, não, é a droga mesmo, aquela produzida com a mistura da pior parte da cocaína com bicarbonato de sódio e do sufixo “landia”, que quer dizer cidade, portanto, o significado será “cidade do crack”. Tem coisa pior do que isso? Pois bem esse lugar existe e fica aqui no centro da bela cidade que encanta e desencanta a todos nós: SAMPA. Sabe onde fica Sampa? Caetano Veloso sabe! Pergunte a ele. No cruzamento da São João com a Ipiranga é só seguir o rumo que quiser que você verá a cena mais horripilante que se pode imaginar. Nem Virgílio levaria Dante a lugar de tamanho horror. Acredito que as drogas produzidas na Velha Bota de 1300 d. c. não produziriam taman…

RUA JOSÉ PAULINO

A rua José Paulino na cidade de São Paulo é um centro comercial e também um consultório terapêutico a céu aberto.    A mulherada quando se encontra deprimida, angustiada, com problema no trabalho, no lar, com o marido, filhos, gordura, na aparência, encontra na rua Zé Paulino uma terapia com efeitos imediatos.    Entre as estações Júlio Prestes e Luz, a rua José Paulino, no bairro do Bom Retiro, mais conhecida como “Zé Paulino” é um paraíso para mulheres.    Um sobe e desce de mulheres de todos os tipos: bonitas, feias, altas, gordas, anoréxicas, asiáticas, negras, brancas, índias (bolivianas), enfim, todas elas se encontram por lá.     Mas não seria um desencontro?     No interior das lojas, uma toma da outra a roupa que afirma ter visto primeiro; outra fala que a peça que a fulana segura na mão já havia sido separada pra ela; outra ainda mais aponta defeito em peças da amiga e quando esta larga a peça, sonho de consumo das duas, aquela segura firme a vestimenta e corre ao caixa …