Pular para o conteúdo principal

UM BRUXO GENERAL

“Ponha-se na presidência qualquer medíocre, louco ou semi-analfabeto e, vinte e quatro horas depois, a horda de aduladores estará à sua volta, brandindo o elogio como arma, convencendo-o de que é um gênio político e um grande homem, e de que tudo o que faz está certo. Em pouco tempo transforma-se um ignorante em um sábio, um louco em um gênio equilibrado, um primário em um estadista. E um homem nessa posição, empunhando as rédeas de um poder praticamente sem limites, embriagado pela bajulação, transforma-se num monstro perigoso”.
Essa frase, atribuída ao General Plínio Mourão Filho, brasileiro de Diamantina, terra do ilustre Juscelino Kubtschech de Oliveira, teria sido dita no ano de 1970, dois anos antes de falecer.
Eu, tentando encontrar algo na História que fizesse essa frase ter algum sentido me vi logo na necessidade de ultrapassar a barreira da morte. Sim, o que o general falava só teria sentido se se projetasse no tempo a possibilidade de isso acontecer algum dia, visto que no passado, resguardada as ideologias políticas reinantes, não se poderia encontrar alguém possuidor de tamanhas "qualidades" das quais se referia o velho militar.
Nesse caso, viajando pelo caminhos tortuosos da "Nova História Tupiniquim" talvez encontremos o tal sujeito de que falara a "vaca fardada". 
E se esse pequeno exercício de memória lhe fizer lembrar de alguém, principalmente se pertencer ao grupo novemdactilo, há que se concluir, pelo menos: um general brasileiro era bruxo, vidente, hierofante, médium, macumbeiro, arúspice, feiticeiro, profeta, vaticinador, vidente, enfim, haveria com ele alguma forma de conhecimento antecipado dos fatos. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cracolândia, pode?

   Cracolandia! Você já ouviu falar nessa palavra, que em princípio pode até soar bem no ouvido de alguns que colocam o nome de seus filhos como Maurilândia, Orlândia? Já ouviu falar em algum nome assim? Eu ouvi. Afinal, sou nordestino!    Pois é, esse maldito nome vem da junção de “crack” , que não é o caso do atleta acima do normal, não, é a droga mesmo, aquela produzida com a mistura da pior parte da cocaína com bicarbonato de sódio e do sufixo “landia”, que quer dizer cidade, portanto, o significado será “cidade do crack”. Tem coisa pior do que isso? Pois bem esse lugar existe e fica aqui no centro da bela cidade que encanta e desencanta a todos nós: SAMPA. Sabe onde fica Sampa? Caetano Veloso sabe! Pergunte a ele. No cruzamento da São João com a Ipiranga é só seguir o rumo que quiser que você verá a cena mais horripilante que se pode imaginar. Nem Virgílio levaria Dante a lugar de tamanho horror. Acredito que as drogas produzidas na Velha Bota de 1300 d. c. não produziriam ta

Academia Maranhense de Letras - sucursal Barra do Corda

          Enquanto Barueri alcança o ápice dos municípios brasileiros com melhores condições de vida, com muita tristeza relatamos um fato que causa vergonha, porque não dizer, indignação, pois se trata da condição em que se encontra atualmente uma escola municipal no Povoado Olho D´Água dos Crispianos, em Barra do Corda, Estado do Maranhão. Falamos apenas da condição física do prédio, imagine as condições pedagógicas!   A localidade fica distante cerca de 15 km da sede do município. O colégio funciona dentro de uma pastagem e as aulas são ministradas ao lado de animais que vão fazer sua refeição no local. Suspeita-se que o município de Barra do Corda receba recursos do Ministério da Educação. O prefeito Manoel Mariano de Sousa, o Nenzim (PV), é acusado pela Polícia Federal de desviar R$ 50 milhões dos cofres da cidade.   Com certeza a prefeitura não gastaria muita coisa para dar dignidade ao professor e aos alunos que talvez freqüente esse lugar. Se o fazem, são verdadeir

BRASIL DE HOJE

Os brasileiros estão mudando de atitudes ou é apenas aparência? Nos últimos dias estamos assistindo a uma demonstração pública de insatisfação por todos os rincões desse grande Brasil. Insatisfeitos com o quê? Eis a grande questão.  A mim parece uma insatisfação generalizada onde o foco principal é exatamente a possibilidade de portar-se  de forma diferente da apatia que permeava costumeiramente. O brasileiro mudou? E se mudou, mudou por quê? Haverá algo mais substancial além das demonstrações públicas de insatisfação? Será insatisfação apenas aos vinte centavos cobrados a mais nas passagens de ônibus?  Nas ruas, misturam-se brasileiros de todos os matizes: estudantes, desempregados, drogados, políticos, apolíticos, jovens, velhos e até crianças, o que é muito bom. Retirando os excessos dos quais se verificam depredações do patrimônio público, causados na grande maioria das vezes por arruaceiros, verifica-se que uma parte da sociedade, da qual não se esperava qualquer