Pular para o conteúdo principal

Estudantes da USP


      Estamos vendo o que na época do governo militar mais se fazia: polícia nas universidades.
      O que afinal de contas os “estudantes” da USP estão querendo? Em princípio é preciso saber se são mesmo estudantes. Pelas faixas escritas por eles nota-se  que em português, pelo menos, não seriam aprovados.
      Muita gente ficou chateada quando um certo deputado disse que a entrada para a USP seria um passaporte para a maconha. Será que ele está equivocado?
      O Estado se ver diante de um imbróglio jurídico de natureza complicada quando aceita que em seu território grupos se instalem e se isolem inclusive proibindo a atuação desse mesmo Estado permissivo, diga-se de passagem.
      Como se não bastasse a interferência sutil de países estrangeiros, cedemos espaço para um grupo que toma para si o direito de representar todos os estudantes da maior universidade pública do país. É preciso dizer que é uma minoria de jovens arruaceiros, despreparados, muitas vezes mimados pelos pais e até mesmo pelos professores. Nesse grupo têm os partidos político de pouca expressividade campo fértil para a disseminação de suas idéias desatualizadas além de esdrúxulas.
      O Estado, mesmo diante da desarmonia gerada no campus universitário – agora faz sentido a palavra campus: campo de batalha, não de idéias, mais de força mesmo – ver-se impedido de restabelecer a segurança quando a polícia militar é acionada e não pode entrar nesse bendito campus para impedir que os tais “estudantes” perpetuem com o caos gerado no interior da universidade.
      Quem viu as imagens do protesto e o que eles reivindicavam, sabe logo de cara tratar-se de desajustados, e talvez o deputado tenha mesmo razão. Idéias desconexas, pleiteando mais liberdade, a não privatização da USP e mais algumas asneiras.
      Livres já o são, pelo menos para desrespeitarem as instituições e depredarem o patrimônio público construído à custa do suor dos brasileiros que pagam impostos.
      O que mais querem eles? Não está na hora de pedirem ajuda para que a mesmo universidade ofereça tratamento para dependentes químicos e das idéias ridículas?
      Onde está a falha?
      Em primeiro lugar há que se considerar um aspecto de relevada importância: os governantes de hoje, reitores, professores, políticos em sua grande maioria, eram os tais “estudantes” da época do governo de um militar. Isso é importante lembrar. Todos eles eram contra a ordem instituída, as instituições e em contrapartida levaram, muito pouco dos que dizem, bordoadas da polícia para se ajustarem.
      O tempo passou! Aproveitaram-se desses episódios esporádicos da época e os brasileiros de poucas idéias o aceitaram de volta com os braços abertos e os colocaram no poder. Até aí, tudo bem! O problema é que esqueceram de que os fatos históricos repetem-se ao longo dos tempos; outros personagens, outro “campus” de atuação, enfim. Aprenderam mesmo a lição do “se dar bem”, e desse tipo de mau exemplo o Brasil está cheio.
      Hoje, pagam na mesma moeda. E o pior de tudo, usam os mesmos recursos que repudiavam veementemente na época dos anos dourados: a velha e conhecida Polícia Militar.
      Será que pelo menos agora eles compreendem que as polícias agiram e agem em função de Estado e não de governo? Será? Será também que diante dos seus travesseiros não estão revendo os conceitos tão naturais e necessários à época dos milicos? Será que não conseguem vislumbrar que as mesmas artimanhas dos políticos civis daquela época não são bem parecidas com as que os “estudantes de outrora” usam hoje? Se a universidade não lhes serviu de escola, pelo menos serviu de ambiente propício para “fumarem outras idéias” e por isso mesmo são os exemplos para essa parcela sonhadora. Sonham encharcados na fumaça produzida pelos CANNABIS que inSATIVA a indisciplina e o mau exemplo.
      Quem sabe agora a própria USP reveja alguns conceitos!   O primeiro deles é escolher melhor quais os estudantes que podem representá-la, pois uma universidade que pretende alçar vôos mais altos só pode conseguir através de esforços que podem ser melhores exemplificados com brasileiros da estirpe do Santos Dumont e Bartolomeu de Gusmão e não da turma das “ideologias esfumaçadas”. O segundo é entender que em país de indisciplinados o remédio é disciplina.
   Disso tudo podemos concluir com uma dúvida: será que os “estudantes” da USP de hoje também retornarão depois para que os brasileiros que não estudam atentamente a história neles vejam a solução para os seus problemas? Vamos repetir tudo de novo? DEUS NOS LIVRE.
“As revoluções, como os vulcões, têm os seus dias de chamas e os seus anos de fumaça.  -  Victor Hugo

http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRLHJZ_sF-qToN3djREQ0vWYgatTPzO9Zfb0xxnlhEuCSW41HXZ
http://t3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcS4qbztpSxs6JebzwwF7UXJiC11FHBdLw4nSZnlWW2Qbph9LFEc
http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTEz1N53mBKI1x04bj81ekVGpci86tGkinbet-Msxq9CeUGNtQraQ
      http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQeK0P25KtEuYlbWunjzvvfV0zuTd5tjIevekM4BskMDYyYeOlP

Comentários

Denise disse…
Quando vi essa manifestação, me peguei pensando como vc, qual a representatividade destes estudantes? Lembro-me q a pouco tempo houve um impasse de ideias, quando do assassinado de um rapaz, estudante da USP, q saia de um caixa eletrônico. Quem estará com a razão? Quem ganha no berro?

Postagens mais visitadas deste blog

Academia Maranhense de Letras - sucursal Barra do Corda

Enquanto Barueri alcança o ápice dos municípios brasileiros com melhores condições de vida, com muita tristeza relatamos um fato que causa vergonha, porque não dizer, indignação, pois se trata da condição em que se encontra atualmente uma escola municipal no Povoado Olho D´Água dos Crispianos, em Barra do Corda, Estado do Maranhão. Falamos apenas da condição física do prédio, imagine as condições pedagógicas!   A localidade fica distante cerca de 15 km da sede do município. O colégio funciona dentro de uma pastagem e as aulas são ministradas ao lado de animais que vão fazer sua refeição no local. Suspeita-se que o município de Barra do Corda receba recursos do Ministério da Educação. O prefeito Manoel Mariano de Sousa, o Nenzim (PV), é acusado pela Polícia Federal de desviar R$ 50 milhões dos cofres da cidade.   Com certeza a prefeitura não gastaria muita coisa para dar dignidade ao professor e aos alunos que talvez freqüente esse lugar. Se o fazem, são verdadeiros heróis.   A ind…

Cracolândia, pode?

Cracolandia! Você já ouviu falar nessa palavra, que em princípio pode até soar bem no ouvido de alguns que colocam o nome de seus filhos como Maurilândia, Orlândia? Já ouviu falar em algum nome assim? Eu ouvi. Afinal, sou nordestino!
   Pois é, esse maldito nome vem da junção de “crack” , que não é o caso do atleta acima do normal, não, é a droga mesmo, aquela produzida com a mistura da pior parte da cocaína com bicarbonato de sódio e do sufixo “landia”, que quer dizer cidade, portanto, o significado será “cidade do crack”. Tem coisa pior do que isso? Pois bem esse lugar existe e fica aqui no centro da bela cidade que encanta e desencanta a todos nós: SAMPA. Sabe onde fica Sampa? Caetano Veloso sabe! Pergunte a ele. No cruzamento da São João com a Ipiranga é só seguir o rumo que quiser que você verá a cena mais horripilante que se pode imaginar. Nem Virgílio levaria Dante a lugar de tamanho horror. Acredito que as drogas produzidas na Velha Bota de 1300 d. c. não produziriam taman…

RUA JOSÉ PAULINO

A rua José Paulino na cidade de São Paulo é um centro comercial e também um consultório terapêutico a céu aberto.    A mulherada quando se encontra deprimida, angustiada, com problema no trabalho, no lar, com o marido, filhos, gordura, na aparência, encontra na rua Zé Paulino uma terapia com efeitos imediatos.    Entre as estações Júlio Prestes e Luz, a rua José Paulino, no bairro do Bom Retiro, mais conhecida como “Zé Paulino” é um paraíso para mulheres.    Um sobe e desce de mulheres de todos os tipos: bonitas, feias, altas, gordas, anoréxicas, asiáticas, negras, brancas, índias (bolivianas), enfim, todas elas se encontram por lá.     Mas não seria um desencontro?     No interior das lojas, uma toma da outra a roupa que afirma ter visto primeiro; outra fala que a peça que a fulana segura na mão já havia sido separada pra ela; outra ainda mais aponta defeito em peças da amiga e quando esta larga a peça, sonho de consumo das duas, aquela segura firme a vestimenta e corre ao caixa …