Pular para o conteúdo principal

Uma profunda lição


 Na minha terra as coisas são resolvidas de uma forma bem simples como se exige às pessoas desse naipe, porém, não sem antes fazer com que o camarada  possa tirar suas próprias conclusões.
         E eu digo isso por um simples motivo: certa vez, em minha casa, na horinha do almoço, todos nós sentados nos bancos de madeira que ladeavam aquela mesa comprida, meu pai Antonio Carlos, minha mãe Luzia Bucar, minha avó Esmeralda Bucar, meus irmãos Kaaled, Fernanda, Haroldo, Lúcio e eu, esperando para que a comida fosse exposta, claro que naquelas travessas enormes. O calor era tão grande que os homens geralmente sentavam à mesa sem camisa, somente com um calção e chinelo de dedo.
         Pelo menos eu já estava com bastante fome e, só pra lembrar, a comida do povo do sul do Maranhão é bastante arroz, fava ou o feijãozinho vermelho da terra, acompanhados de um tipo de carne de boi, porco, bode, carneiro ou mesmo uma caça, geralmente temperadas com cheiro-verde e pimenta de cheiro,  regado do indispensável molho de pimenta malagueta e a farinha, seca ou de puba.
         Acontecia algumas vezes sermos surpeendidos com alguma novidade. Nesse bendito dia a cozinheira da casa, Conceição, colocou a bacia de arroz – Maranhense não vive sem arroz -, o feijão e logo após a carne. Só que dessa vez era língua de boi cozida. Meu irmão Kaaled, como era de costume, foi logo dizendo:
- Eu não como isso. O que é isso?
Minha mãe, com toda aquela paciência, responde:
- É língua cozida, meu filho!
Nesse instante meu irmão pensou e lançou a questão:
- A língua que sai da boca da vaca?
Meu pai acrescentou:
- Donde mais seria?
Com cara de quem não gostou e fazendo gesto de quem estava com nojo, meu irmão resolveu tomar uma decisão:
- Eu não quero língua. Eu quero um ovo cozido. Conceição, faz um pra mim.
         Nisso, minha avó Esmeralda, com toda a sabedoria que era possuidora, mesmo sem saber um “A”, concluiu:
- Menino, se tu vai decidir o que comer pelo local que ele sai, é melhor tu comer a língua!

         Meu irmão até hoje não come ovo. Adora uma língua. De preferência cozida.

Comentários

Anônimo disse…
Essa foi a melhor.

Postagens mais visitadas deste blog

Cracolândia, pode?

   Cracolandia! Você já ouviu falar nessa palavra, que em princípio pode até soar bem no ouvido de alguns que colocam o nome de seus filhos como Maurilândia, Orlândia? Já ouviu falar em algum nome assim? Eu ouvi. Afinal, sou nordestino!    Pois é, esse maldito nome vem da junção de “crack” , que não é o caso do atleta acima do normal, não, é a droga mesmo, aquela produzida com a mistura da pior parte da cocaína com bicarbonato de sódio e do sufixo “landia”, que quer dizer cidade, portanto, o significado será “cidade do crack”. Tem coisa pior do que isso? Pois bem esse lugar existe e fica aqui no centro da bela cidade que encanta e desencanta a todos nós: SAMPA. Sabe onde fica Sampa? Caetano Veloso sabe! Pergunte a ele. No cruzamento da São João com a Ipiranga é só seguir o rumo que quiser que você verá a cena mais horripilante que se pode imaginar. Nem Virgílio levaria Dante a lugar de tamanho horror. Acredito que as drogas produzidas na Velha Bota de 1300 d. c. não produziriam ta

Academia Maranhense de Letras - sucursal Barra do Corda

          Enquanto Barueri alcança o ápice dos municípios brasileiros com melhores condições de vida, com muita tristeza relatamos um fato que causa vergonha, porque não dizer, indignação, pois se trata da condição em que se encontra atualmente uma escola municipal no Povoado Olho D´Água dos Crispianos, em Barra do Corda, Estado do Maranhão. Falamos apenas da condição física do prédio, imagine as condições pedagógicas!   A localidade fica distante cerca de 15 km da sede do município. O colégio funciona dentro de uma pastagem e as aulas são ministradas ao lado de animais que vão fazer sua refeição no local. Suspeita-se que o município de Barra do Corda receba recursos do Ministério da Educação. O prefeito Manoel Mariano de Sousa, o Nenzim (PV), é acusado pela Polícia Federal de desviar R$ 50 milhões dos cofres da cidade.   Com certeza a prefeitura não gastaria muita coisa para dar dignidade ao professor e aos alunos que talvez freqüente esse lugar. Se o fazem, são verdadeir

BRASIL DE HOJE

Os brasileiros estão mudando de atitudes ou é apenas aparência? Nos últimos dias estamos assistindo a uma demonstração pública de insatisfação por todos os rincões desse grande Brasil. Insatisfeitos com o quê? Eis a grande questão.  A mim parece uma insatisfação generalizada onde o foco principal é exatamente a possibilidade de portar-se  de forma diferente da apatia que permeava costumeiramente. O brasileiro mudou? E se mudou, mudou por quê? Haverá algo mais substancial além das demonstrações públicas de insatisfação? Será insatisfação apenas aos vinte centavos cobrados a mais nas passagens de ônibus?  Nas ruas, misturam-se brasileiros de todos os matizes: estudantes, desempregados, drogados, políticos, apolíticos, jovens, velhos e até crianças, o que é muito bom. Retirando os excessos dos quais se verificam depredações do patrimônio público, causados na grande maioria das vezes por arruaceiros, verifica-se que uma parte da sociedade, da qual não se esperava qualquer