Pular para o conteúdo principal

FAMÍLIA BALSENSE

Com o tema família em discussão há necessidade de quem tem uma salvá-la antes que acabe.
Quem teve o privilégio de nascer em uma família baseada nos moldes da que estávamos acostumados a ver, tem o dever de preservar a lembrança, sob pena de perder os vínculos proporcionados por ela, exatamente pelas imposições das novidades que ora se apresentam como parâmetro familiar.
Em Balsas, família era a pedra fundamental da formação do município. Acredito que em outros municípios seria da mesma forma. 
Quando se conhecia alguém pela primeira vez, tínhamos o costume de perguntar: 
- De que família você é? Você é filho de quem? (linguagem empregada na época)
O cartão de crédito do balsense era exatamente o laço que o vinculava a uma família. Hoje isso está acabando. Se é bom ou ruim, não é o caso agora discutir.
Famílias tradicionais, outras nem tanto. O importante é que o balsense não era um indivíduo isolado; ele era alguém dentro de um clã. E não estava nem um pouco preocupado com isso. Ele fazia questão de dizer:
- Sou da família Bucar, Coelho, Queiroz, Moreira, Pereira, Silva, Santos, Fonseca, Martins, Ferreira, Alencar, Barros, Félix, Barbosa, Rocha, Rego, Cury, Miranda, Cardoso, Botelho, Barreira, etc.
Alguns vezes, ao nos dirigir a alguém que provavelmente não nos conhecia, éramos logo cobrados a debulhar o Terço familiar e, no final, ainda tínhamos que ouvir o complemento para o Rosário:
- Sou filho do Antonio Carlos, da Luzia Bucar.
- Seu Antonio Carlos, sobrinho da Ritinha Pereira? Irmão do Zé Pé-de-Lecho? Ele é parente do Moisés Coelho também, não é? Marido da dona Luzia, irmã do seu Dué? Seu Dué, filho da dona Esmeralda, mulher do seu Felipe Bucar?
- É isso mesmo.
Depois disso tudo, recebia a confirmação:
- Ah! Muito bem! O que é mesmo que tu quer, menino?
Era a senha para você conquistar o paraíso em Balsas.
A minha família sobreviveu em minha memória e os que sobraram dela estão estampados nas fotografias abaixo onde a matrona Luzia Bucar pousa alegremente com os filhos Carlito, Kaaled, Fernanda, Haroldo e Lucio.
 Na foto seguinte a mesma alegria quando rodeada pelos netos Larissa, Stefani, Juscilynne, Elen, Renam, yuri, Saulo Hermman, Laís, João, Kaila e Karla Natalinne; e, na última, pode-se notar uma certa "cara de quem não gostou", pois está cercada de noras Sandra, Cessa, Juscélia e Lélia (faltou o genro Marcelo).



Comentários

Quem é você? sou o filho da Dona Ana, neto da Dona Carlota, sobrinho do Ditão, do Saturnino, do Daniel, do Quincas, do José Bernado e do tio Clarindo. O Ditão é aquele que joga no time do Guarani.
Passe livre para a amizade e atenção.
A minha aprovação de pessoa aceita como de bem, estava presa a suas identidades.
Alguns estão do outro lado da vida, mando lhes um forte abraço.
Parabéns, Osvaldo, você mostrou que é mesmo uma balsense. Grande abraço.

Postagens mais visitadas deste blog

Academia Maranhense de Letras - sucursal Barra do Corda

Enquanto Barueri alcança o ápice dos municípios brasileiros com melhores condições de vida, com muita tristeza relatamos um fato que causa vergonha, porque não dizer, indignação, pois se trata da condição em que se encontra atualmente uma escola municipal no Povoado Olho D´Água dos Crispianos, em Barra do Corda, Estado do Maranhão. Falamos apenas da condição física do prédio, imagine as condições pedagógicas!   A localidade fica distante cerca de 15 km da sede do município. O colégio funciona dentro de uma pastagem e as aulas são ministradas ao lado de animais que vão fazer sua refeição no local. Suspeita-se que o município de Barra do Corda receba recursos do Ministério da Educação. O prefeito Manoel Mariano de Sousa, o Nenzim (PV), é acusado pela Polícia Federal de desviar R$ 50 milhões dos cofres da cidade.   Com certeza a prefeitura não gastaria muita coisa para dar dignidade ao professor e aos alunos que talvez freqüente esse lugar. Se o fazem, são verdadeiros heróis.   A ind…

Cracolândia, pode?

Cracolandia! Você já ouviu falar nessa palavra, que em princípio pode até soar bem no ouvido de alguns que colocam o nome de seus filhos como Maurilândia, Orlândia? Já ouviu falar em algum nome assim? Eu ouvi. Afinal, sou nordestino!
   Pois é, esse maldito nome vem da junção de “crack” , que não é o caso do atleta acima do normal, não, é a droga mesmo, aquela produzida com a mistura da pior parte da cocaína com bicarbonato de sódio e do sufixo “landia”, que quer dizer cidade, portanto, o significado será “cidade do crack”. Tem coisa pior do que isso? Pois bem esse lugar existe e fica aqui no centro da bela cidade que encanta e desencanta a todos nós: SAMPA. Sabe onde fica Sampa? Caetano Veloso sabe! Pergunte a ele. No cruzamento da São João com a Ipiranga é só seguir o rumo que quiser que você verá a cena mais horripilante que se pode imaginar. Nem Virgílio levaria Dante a lugar de tamanho horror. Acredito que as drogas produzidas na Velha Bota de 1300 d. c. não produziriam taman…

RUA JOSÉ PAULINO

A rua José Paulino na cidade de São Paulo é um centro comercial e também um consultório terapêutico a céu aberto.    A mulherada quando se encontra deprimida, angustiada, com problema no trabalho, no lar, com o marido, filhos, gordura, na aparência, encontra na rua Zé Paulino uma terapia com efeitos imediatos.    Entre as estações Júlio Prestes e Luz, a rua José Paulino, no bairro do Bom Retiro, mais conhecida como “Zé Paulino” é um paraíso para mulheres.    Um sobe e desce de mulheres de todos os tipos: bonitas, feias, altas, gordas, anoréxicas, asiáticas, negras, brancas, índias (bolivianas), enfim, todas elas se encontram por lá.     Mas não seria um desencontro?     No interior das lojas, uma toma da outra a roupa que afirma ter visto primeiro; outra fala que a peça que a fulana segura na mão já havia sido separada pra ela; outra ainda mais aponta defeito em peças da amiga e quando esta larga a peça, sonho de consumo das duas, aquela segura firme a vestimenta e corre ao caixa …