Pular para o conteúdo principal

CARNAVAL EM BALSAS NOS ANOS 70

Domingo de Carnaval. Hoje o bicho pega.
O bicho pegou mesmo quando me lembrei dos carnavais da cidade de Balsas-MA dos anos 60/70 e início dos anos 80.
Do carnaval dos anos 60 ficou gravado pouca coisa, porém me lembro muito bem dos músicos que animavam as marchinhas nas ruas esburacadas da cidade. Tudo era muito interessante. Nas ruas passavam os músicos tocando as marchinhas e acompanhando um bloco vestido de roupas esquisitas e com máscaras cobrindo o rosto: eram os "fofões". Sim, eram os fofões que causavam medo, as vezes até pavor nas crianças.
Nos anos 70 o carnaval teve um significado maior para mim. Foi a época de frequentar o Clube Recreativo Balsense. Lá, aconteciam os bailes carnavalescos para a "gurizada" à tarde. Á noite, os adultos, fantasiados, giravam no meio do Clube como gira uma "carrapeta". O engraçado é que giravam todos no sentido anti-horário, talvez para evitar os "encontrões" que nem sempre eram evitados.
Os filhos dos filhos de Balsas, em período de férias, chegavam de todos os lugares para "pular carnaval". Chegavam de fora e faziam o maior sucesso, pois as meninas de Balsas não queriam mais nada com os nativos. Só não ficávamos a ver navios por que as forasteiras também chegavam. Elas, ao contrário dos rapazes, queriam namorar os nativos. O problema é que sempre fui tímido. Ás vezes era necessário que a menina fizessem a investida primeiro. 
Começava o baile por volta das 22 horas e do lado de fora o Pedro do Espeto já caprichava no churrasquinho com pimenta para a hora dos intervalos. O saco de farinha seca sempre aberto para o freguês passar o espeto na "poderosa".
Lá dentro, além do maestro Martinho Mendes e Raimundo Floriano nos instrumentos de sopro, a banda do Félix Matias fazia o acompanhamento. Manoel Mendes no contrabaixo, Bimbinha na guitarra, Riba no teclado, Gimy na bateria e Domingal no surdo. Era um baile e tanto, ao som das marchinhas.
Nos final dos anos 70 e início de 80, meu tio, DUÉ BUCAR, foi o presidente do Clube Recreativo Balsense. Festeiro e animado, usava os sobrinhos para fazer a faxina do Clube. Eu e meu primo Amaro Cardoso trabalhávamos muito para que o salão estivesse impecável. Mesmo cansados, à noite lá estávamos nós. Muitas vezes éramos surpreendidos pelo Dué Bucar que nos colocava em lugares chaves da festa: portaria e bar. Pronto! A noite estava acabada pra nós. Os outros brincavam enquanto nós trabalhávamos e de graça. Nem sempre o Luizão dava conta da portaria. No bar ficou melhor para nós quando foi passada a responsabilidade para o Chico Valentim.
O Clube Recreativo Balsense era o que de melhor poderia frequentar a sociedade balsense. Não obstante, o melhor mesmo para os jovens tímidos como eu era a Liga Operária, frequentada pelo "pipirau". Lá, nós nos dávamos bem. Muitas vezes, deixei o Clube para ir à Liga Operária.
Cada um tem lembranças de algum período em que o carnaval lhe reservou impressões, boas ou más. O meu período de Carnaval foi no final dos anos 70 e início dos anos 80 na cidade de Balsas-Maranhão. 
  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Academia Maranhense de Letras - sucursal Barra do Corda

Enquanto Barueri alcança o ápice dos municípios brasileiros com melhores condições de vida, com muita tristeza relatamos um fato que causa vergonha, porque não dizer, indignação, pois se trata da condição em que se encontra atualmente uma escola municipal no Povoado Olho D´Água dos Crispianos, em Barra do Corda, Estado do Maranhão. Falamos apenas da condição física do prédio, imagine as condições pedagógicas!   A localidade fica distante cerca de 15 km da sede do município. O colégio funciona dentro de uma pastagem e as aulas são ministradas ao lado de animais que vão fazer sua refeição no local. Suspeita-se que o município de Barra do Corda receba recursos do Ministério da Educação. O prefeito Manoel Mariano de Sousa, o Nenzim (PV), é acusado pela Polícia Federal de desviar R$ 50 milhões dos cofres da cidade.   Com certeza a prefeitura não gastaria muita coisa para dar dignidade ao professor e aos alunos que talvez freqüente esse lugar. Se o fazem, são verdadeiros heróis.   A ind…

Cracolândia, pode?

Cracolandia! Você já ouviu falar nessa palavra, que em princípio pode até soar bem no ouvido de alguns que colocam o nome de seus filhos como Maurilândia, Orlândia? Já ouviu falar em algum nome assim? Eu ouvi. Afinal, sou nordestino!
   Pois é, esse maldito nome vem da junção de “crack” , que não é o caso do atleta acima do normal, não, é a droga mesmo, aquela produzida com a mistura da pior parte da cocaína com bicarbonato de sódio e do sufixo “landia”, que quer dizer cidade, portanto, o significado será “cidade do crack”. Tem coisa pior do que isso? Pois bem esse lugar existe e fica aqui no centro da bela cidade que encanta e desencanta a todos nós: SAMPA. Sabe onde fica Sampa? Caetano Veloso sabe! Pergunte a ele. No cruzamento da São João com a Ipiranga é só seguir o rumo que quiser que você verá a cena mais horripilante que se pode imaginar. Nem Virgílio levaria Dante a lugar de tamanho horror. Acredito que as drogas produzidas na Velha Bota de 1300 d. c. não produziriam taman…

RUA JOSÉ PAULINO

A rua José Paulino na cidade de São Paulo é um centro comercial e também um consultório terapêutico a céu aberto.    A mulherada quando se encontra deprimida, angustiada, com problema no trabalho, no lar, com o marido, filhos, gordura, na aparência, encontra na rua Zé Paulino uma terapia com efeitos imediatos.    Entre as estações Júlio Prestes e Luz, a rua José Paulino, no bairro do Bom Retiro, mais conhecida como “Zé Paulino” é um paraíso para mulheres.    Um sobe e desce de mulheres de todos os tipos: bonitas, feias, altas, gordas, anoréxicas, asiáticas, negras, brancas, índias (bolivianas), enfim, todas elas se encontram por lá.     Mas não seria um desencontro?     No interior das lojas, uma toma da outra a roupa que afirma ter visto primeiro; outra fala que a peça que a fulana segura na mão já havia sido separada pra ela; outra ainda mais aponta defeito em peças da amiga e quando esta larga a peça, sonho de consumo das duas, aquela segura firme a vestimenta e corre ao caixa …