Pular para o conteúdo principal

Hoje é dia do Circo


Hoje é o dia do Circo e do artista circense e cada um de nós tem algo a falar sobre o circo.
Em se falando em Circo fatalmente me veio a lembrança de Balsas, cidade do sul do Maranhão, distante da capital em quase 900 km. A estrada era a Transamazônica, BR 230, construída no governo dos militares. No povoado Orosimbo pegava-se a esquerda e seguia por rodovia estadual até chegar a São Luis. Antes da construção da Transamazônica,  não havia estrada, eram caminhos por onde os carros se aventuravam até chegar àquele ponto esquecido do estado do Maranhão. E o que isso tem a ver com o circo? Tudo. Apesar das enormes dificuldades de transporte por lá chegavam circos para animar a população tão ávida de novidades. Hoje eu fico imaginando o sacrifício que esse aventureiros enfrentavam para chegar aonde eu estava. Só para me mostrarem o circo. Eu e os outros moleques da cidade. Só para que se tenha uma idéia de Balsas a Mangabeiras são aproximadamente 86 km e quando chovia gastava-se até 11 horas para percorrer esse trecho. E o circo chegava.
Lembro-me muito bem do Gran Bartollo Circo, majestoso prédio de lona, instalado bem no meio da praça Gonçalves Dias, mais conhecida como praça da prefeitura. Carros enormes e pintados de forma diferente das que nós conhecíamos, animais, anões e as mulheres bonitas que faziam malabares diante dos palhaços que em altas pernas de pau faziam a chamada do primeiro espetáculo através de um megafone e em altos berros diziam:
- Hoje tem espetáculo.
E nós acompanhando gritávamos:
- Tem sim, senhor.
Era uma festa só. A cidade só falava em circo. Cada pessoa enaltecia aquilo que mais chamava sua atenção. Eu gostava mesmo dos palhaços. Dava cada gargalhada que ficava com dor de barriga.
O problema era na hora de entrar. Cadê o dinheiro para pagar?  Os filhos das pessoas mais aquinhoadas entravam pelo portão principal com toda elegância do mundo e nós, filhos de pobres ficávamos andando ao redor do circo só esperando um "vacilo" dos vigilantes para "darmos o bote" entrando por baixo da lona. O nome que se dava para essa peripécia era “varar o circo”. Era só o vigilante "dar bobeira"....varava um, dois, três, até que alguém fosse pego. E aí era o maior vexame! O pior mesmo é quando o garoto já estava sentado no “galinheiro” que eram as arquibancadas das pessoas que pagavam ingresso mais barato, e de lá era retirado à força e o pior: fazia parte do espetáculo. Todos ali olhavam a cena.  Quem queria ver tudo de perto pagava ingresso para as cadeiras. Nós não estávamos lá para brincadeira; queríamos mesmo era entrar no circo. Alguns meninos ficavam de um lado chamando a atenção dos “bate-paus”, como eram chamados os vigias, enquanto outros conseguiam entrar por outro lado.
Depois de haver conquistado o "merecido lugar",  os olhos brilhavam diante de tanta novidade. Cada garoto curtia à sua maneira o espetáculo. Os adultos riam como crianças. Era o circo em Balsas. Enfim, o progresso chegava lá através do circo.
Hoje, tenho saudade dos grandes e pequenos circos que passaram por Balsas e por vezes me pego sem querer a responder o chamado que o palhaço fazia: - “tem sim, senhor”.
Viva o circo, viva o artista circense, viva a alegria.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cracolândia, pode?

   Cracolandia! Você já ouviu falar nessa palavra, que em princípio pode até soar bem no ouvido de alguns que colocam o nome de seus filhos como Maurilândia, Orlândia? Já ouviu falar em algum nome assim? Eu ouvi. Afinal, sou nordestino!    Pois é, esse maldito nome vem da junção de “crack” , que não é o caso do atleta acima do normal, não, é a droga mesmo, aquela produzida com a mistura da pior parte da cocaína com bicarbonato de sódio e do sufixo “landia”, que quer dizer cidade, portanto, o significado será “cidade do crack”. Tem coisa pior do que isso? Pois bem esse lugar existe e fica aqui no centro da bela cidade que encanta e desencanta a todos nós: SAMPA. Sabe onde fica Sampa? Caetano Veloso sabe! Pergunte a ele. No cruzamento da São João com a Ipiranga é só seguir o rumo que quiser que você verá a cena mais horripilante que se pode imaginar. Nem Virgílio levaria Dante a lugar de tamanho horror. Acredito que as drogas produzidas na Velha Bota de 1300 d. c. não produziriam ta

Academia Maranhense de Letras - sucursal Barra do Corda

          Enquanto Barueri alcança o ápice dos municípios brasileiros com melhores condições de vida, com muita tristeza relatamos um fato que causa vergonha, porque não dizer, indignação, pois se trata da condição em que se encontra atualmente uma escola municipal no Povoado Olho D´Água dos Crispianos, em Barra do Corda, Estado do Maranhão. Falamos apenas da condição física do prédio, imagine as condições pedagógicas!   A localidade fica distante cerca de 15 km da sede do município. O colégio funciona dentro de uma pastagem e as aulas são ministradas ao lado de animais que vão fazer sua refeição no local. Suspeita-se que o município de Barra do Corda receba recursos do Ministério da Educação. O prefeito Manoel Mariano de Sousa, o Nenzim (PV), é acusado pela Polícia Federal de desviar R$ 50 milhões dos cofres da cidade.   Com certeza a prefeitura não gastaria muita coisa para dar dignidade ao professor e aos alunos que talvez freqüente esse lugar. Se o fazem, são verdadeir

BRASIL DE HOJE

Os brasileiros estão mudando de atitudes ou é apenas aparência? Nos últimos dias estamos assistindo a uma demonstração pública de insatisfação por todos os rincões desse grande Brasil. Insatisfeitos com o quê? Eis a grande questão.  A mim parece uma insatisfação generalizada onde o foco principal é exatamente a possibilidade de portar-se  de forma diferente da apatia que permeava costumeiramente. O brasileiro mudou? E se mudou, mudou por quê? Haverá algo mais substancial além das demonstrações públicas de insatisfação? Será insatisfação apenas aos vinte centavos cobrados a mais nas passagens de ônibus?  Nas ruas, misturam-se brasileiros de todos os matizes: estudantes, desempregados, drogados, políticos, apolíticos, jovens, velhos e até crianças, o que é muito bom. Retirando os excessos dos quais se verificam depredações do patrimônio público, causados na grande maioria das vezes por arruaceiros, verifica-se que uma parte da sociedade, da qual não se esperava qualquer