Pular para o conteúdo principal

Dia do Palhaço


Hoje é o dia do palhaço. Que bom, hoje é o dia de homenagear àqueles que nos fazem rir. Rir ou sorrir? Deixa pra lá. Hoje é o dia do palhaço e isso é o que importa.
Palhaço é um ser que me intrigava quando criança. Lá em Balsas, quando o Circo chegava, a parte do espetáculo que mais me causava expectativa era exatamente a apresentação do palhaço; ou dos palhaços. Me intrigava por que enxergava em cada um daqueles pequenos seres – cabe aqui um adendo: pequenos seres mesmos, visto tratarem-se de anões. Pequenos homenzinhos com andar de “pata choca”, pois tinham as pernas tortas e a bunda muito baixa que balançava de um lado a outro quando andavam e um olhar esbugalhado expressando alegria, mesmo sem as pinturas das apresentações. Ficava me perguntando a mim mesmo o que os faria tão pequenos? Será que existia algum país ou região onde aquele pessoal aparecia....nascia....era criando..., enfim, aonde era esse lugar? Na minha cabeça seria um lugar muito alegre e que deveria brotar felicidade.
Os anões nem precisavam de ornamentos para tornarem-se palhaços. Para mim, ser anão já era sinônimo de palhaço. Todos os anões eram palhaço.
O Gran Bartolo Circo chegou! Que maravilha! O maior circo já armado em nossa cidade. O mundo maravilhoso do circo havia chegado em território balsense! Nem sequer imaginava o sacrifício que haviam enfrentado nos caminhos que rumavam para Carolina ou para Mangabeiras. Tombador de areia do Riachão ou o lamaçal do Vale Verde? Bom, o certo é que o maior circo, pelo menos para nós, havia chegado em Balsas. Armado na praça da Prefeitura, em frente ao Educandário Coelho Neto. Lonas armadas com a maior destreza possível, lá estava eu e, se não me engano, toda a meninada do Balsas e admirar tudo do circo. Eu, como sempre, fui logo verificar se havia anão. Para minha surpresa havia várias deles. Que coisa mais impressionante! A maior quantidade de anões que eu havia visto em toda a minha vida! Pensei logo: esse sim, é o melhor circo do mundo. E era mesmo!
Como a propaganda é a alma do negócio, saiam os carros do circo pelas ruas da cidade fazendo o chamado geral. Toda a cidade parava para ver. O bom mesmo era acompanhar o palhaço da perna de pau que no “boca de ferro” gritava e nós, moleques, respondíamos:
- Hoje tem espetáculo.
- Tem sim, senhor!
Consegui entrar sem precisar “varar o circo”. Meu pai pagou a minha entrada. Eu estava feliz da vida!
Tudo maravilhoso, sentado no “galinheiro”, esperava ansioso a vez do palhaço entrar. O apresentador, com sua roupa toda brilhosa, acompanhado de uma mulher bonita e vestida também com brilho, porém com pouca roupa, era espetáculo à parte. Enfim chama o apresentador os palhaços do Gran Circo Bartolo.
- Senhora e senhores, agora chegou a vez do Gran Bartolo Circo, pela primeira vez nesta linda cidade de Balsas, lhes apresentar os melhores palhaços do mundo. Aplausos para eles.
Entra uma “quera” deles. Sorrisos aos borbotões. Todos riam. Parece que havíamos entrado em êxtase.
Terminado o espetáculo, saímos do Gran Bartolo Circo repletos de alegria. Alegria proporcionada por tudo que havia no circo, porém, acredito que os palhaços foram os maiores responsáveis por isso.
Hoje, vendo na agenda tratar-se do dia do palhaço relembrei desse passado já um pouco distante, mais muito marcante na minha vida, razão pela qual resolvi homenagear a esse artista que faz tanta gente dar boas gargalhadas, mesmo que ele próprio, palhaço, não esteja tão feliz assim. Afinal, todos somos seres humanos e palhaços. O curva sinuosa das nossas "emoções anãs" proporcionam isso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Academia Maranhense de Letras - sucursal Barra do Corda

Enquanto Barueri alcança o ápice dos municípios brasileiros com melhores condições de vida, com muita tristeza relatamos um fato que causa vergonha, porque não dizer, indignação, pois se trata da condição em que se encontra atualmente uma escola municipal no Povoado Olho D´Água dos Crispianos, em Barra do Corda, Estado do Maranhão. Falamos apenas da condição física do prédio, imagine as condições pedagógicas!   A localidade fica distante cerca de 15 km da sede do município. O colégio funciona dentro de uma pastagem e as aulas são ministradas ao lado de animais que vão fazer sua refeição no local. Suspeita-se que o município de Barra do Corda receba recursos do Ministério da Educação. O prefeito Manoel Mariano de Sousa, o Nenzim (PV), é acusado pela Polícia Federal de desviar R$ 50 milhões dos cofres da cidade.   Com certeza a prefeitura não gastaria muita coisa para dar dignidade ao professor e aos alunos que talvez freqüente esse lugar. Se o fazem, são verdadeiros heróis.   A ind…

Cracolândia, pode?

Cracolandia! Você já ouviu falar nessa palavra, que em princípio pode até soar bem no ouvido de alguns que colocam o nome de seus filhos como Maurilândia, Orlândia? Já ouviu falar em algum nome assim? Eu ouvi. Afinal, sou nordestino!
   Pois é, esse maldito nome vem da junção de “crack” , que não é o caso do atleta acima do normal, não, é a droga mesmo, aquela produzida com a mistura da pior parte da cocaína com bicarbonato de sódio e do sufixo “landia”, que quer dizer cidade, portanto, o significado será “cidade do crack”. Tem coisa pior do que isso? Pois bem esse lugar existe e fica aqui no centro da bela cidade que encanta e desencanta a todos nós: SAMPA. Sabe onde fica Sampa? Caetano Veloso sabe! Pergunte a ele. No cruzamento da São João com a Ipiranga é só seguir o rumo que quiser que você verá a cena mais horripilante que se pode imaginar. Nem Virgílio levaria Dante a lugar de tamanho horror. Acredito que as drogas produzidas na Velha Bota de 1300 d. c. não produziriam taman…

RUA JOSÉ PAULINO

A rua José Paulino na cidade de São Paulo é um centro comercial e também um consultório terapêutico a céu aberto.    A mulherada quando se encontra deprimida, angustiada, com problema no trabalho, no lar, com o marido, filhos, gordura, na aparência, encontra na rua Zé Paulino uma terapia com efeitos imediatos.    Entre as estações Júlio Prestes e Luz, a rua José Paulino, no bairro do Bom Retiro, mais conhecida como “Zé Paulino” é um paraíso para mulheres.    Um sobe e desce de mulheres de todos os tipos: bonitas, feias, altas, gordas, anoréxicas, asiáticas, negras, brancas, índias (bolivianas), enfim, todas elas se encontram por lá.     Mas não seria um desencontro?     No interior das lojas, uma toma da outra a roupa que afirma ter visto primeiro; outra fala que a peça que a fulana segura na mão já havia sido separada pra ela; outra ainda mais aponta defeito em peças da amiga e quando esta larga a peça, sonho de consumo das duas, aquela segura firme a vestimenta e corre ao caixa …